É a porra do fim do mundo!

09/12/2019

Eu não sou o tipo de pessoa que tem uma lista enorme de séries. Na verdade, até evito. Apesar disso, algumas ganham meu coração.

Ontem acabei a segunda temporada de TEOTFW e deu vontade de falar um pouco sobre ela. Na verdade, só tô transferindo algumas anotações mentais pro "papel".

A série é muito mais do que 'dois adolescentes rebeldes fugindo do mundo', ela mostra porque eles querem fugir do mundo e, sinceramente, eu os entendo profundamente. No meio de todo humor ácido são apresentadas diversas problemáticas e dramas tão reais que até dói assistir. 

(1) O comportamento da Alyssa (Jessy Barden): na maior parte do tempo ela é estúpida com todo mundo, mas os pensamentos em "voz alta” dela nos ajudam a entender que isso não passa de uma armadura e ela se odeia por ser assim, mas não sabe muito bem como mudar as coisas. Eu me vejo um pouco na Alyssa. Nada justifica grosseria, eu sei, mas a gente nunca sabe pelo que a outra pessoa passou/está passando. Às vezes, ela só cansou de levar porrada e resolveu bater (nem sempre gentileza gera gentileza). Não que isso seja certo, mas acontece. O legal é ver a melhora dela ao decorrer da temporada.

Obs: James (Alex Lawther) também tem suas questões, e melhora ao longo da temporada, mas acho difícil falar sobre elas sem dar spoilers importantes, então deixo aqui as reticências...


“Na verdade, eu não sinto mais nada. É como um super poder!”

(2) Gostei de como essa temporada mostrou que pessoas lidam com traumas de maneiras diferentes. Enquanto a Alyssa explode e coloca pra fora, o James sofre calado. Me vejo nele também. Na verdade, me vejo muito nos dois personagens porque, apesar de reagirem de maneiras diferentes, ambos têm dificuldade de lidar com os próprios sentimentos. Ambos passaram por muita coisa (além do trauma na primeira temporada). Ambos não sabem muito bem que rumo seguir. Acho que todo mundo fica meio perdido igual eles em algum momento da vida.

(3) A Bonnie: O que dizer da personagem que a Naomi Ackie construiu perfeitamente bem? Quantas pessoas, principalmente mulheres negras, não sofrem a manipulação emocional e o abuso que ela sofreu (desde a infância)? Apesar de tudo que fez, não dá pra sentir raiva dela. Ela é uma vítima.


(4) Me sinto abraçada por séries/filmes que mostram que dá pra tentar ser feliz e achar seu lugar nesse mundo meio merda. Essa é a mensagem que ficou pra mim no final: É a porra do fim do mundo, então vamos tentar ter um pouco de paz e felicidade antes que ele acabe... E façam terapia! 

(temp. 1) same...

(temp. 2) ...energy

E, ah! A fotografia*, a trilha sonora e o cenário - bem no cu do mundo, como a Alyssa diz - também são ótimos!

Não vou falar "assista!", porque eu raramente assisto as séries que me indicam. Então, só queria dizer mais uma coisa pra te animar, caso esteja ponderando assistir: os episódios são curtinhos, você zera as duas temporadas em 1 dia.

Trailer da 1ª temporada:


*Frames da 2ª temporada pra você sentir a vibe:


2 comentários:

  1. Oi Let, como tem passado? Estava ponderando sobre assistir essa série e depois desse seu post fiquei ainda mais curiosa (eu não li tudo pra não tirar o prazer de entender a história ao assisti-la). Muito obrigada por esse empurrão, irei começar a assistir o quanto antes (♥), se cuida e boas festas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Legal saber que te deixei curiosa! Espero que goste da série. Volte aqui pra me contar o que achou.

      Se cuida! ♥

      Excluir

Fico feliz com o seu comentário!
Respondo ele lá no seu blog, ok? ;)